O meio tem um poder extraordinário de mudar a realidade das pessoas. O local em que vivemos faz a maior diferença na construção do nosso destino. Aprendemos muito mais experienciado do que em nossas salas de aula. A família tem um grande peso na formação do comportamento de qualquer indivíduo. Entretanto, devido a fragilidade dos valores morais em que nos encontramos, há uma facilidade de criarmos cidadãos sem consciência da importância do dinheiro no tempo e logo tornam-se adultos desequilibrados e totalmente desorganizados com suas finanças.

Vivemos a época do consumo.Consumir tornou-se o alvo principal de nossos jovens, dessa forma   temos uma geração de  perdulários,  uma sociedade que não consegue perceber a importância do dinheiro na construção de seus sonhos. Vivem de maneira alucinada, sem direção, sem um caminho determinado. No final sabemos que a dor e a frustração são os resultados de uma vida vivida sem um projeto definido – uma vida sem sentido. Tudo isso se dá por uma profunda  carência educacional. Quando nos conscientizamos de nossos deveres e direitos, tornamo-nos cidadãos. Quando entendemos que  nossa vida é nossa responsabilidade, tornamo-nos livres.  Somos livres para escolher, em nosso dia a dia, as diversas opções que nos são concedidas. A vida é muito simples: causa e efeito, em outras palavras: colhemos aquilo que plantamos.

Percebo que as pessoas não se importam com o amanhã. O amanhã é distante demais para nos aborrecer hoje, essa determinação parece ser a máxima de nossos tempos turbulentos e líquidos – tudo é fugidio e digital. A falta de consciência é o pecado capital de nossa sociedade moderna, que geram problemas sociais de toda ordem. haja vista, a realidade em que  quase todos os governos do planeta se encontram: endividamento total, o famoso déficit público – consequência da falta de planejamento e irresponsabilidade com o trato dos recursos públicos. O Brasil terá grande dificuldade de mudar sua história porque desperdiça demais – não valoriza a aplicação honesta dos recursos. E nossos jovens e famílias? Nossos jovens e famílias caminham na mesma direção dos governos irresponsáveis. Gastam além do que podem e agem como se tivessem a lâmpada de Aladim. Uma loucura geral! Sem eira e nem beira é a caminhada de grande parte de nossa sociedade, mostrando claramente a falta total de educação em lidar com o dinheiro (sempre tenho dito em minhas postagem: dinheiro não aceita desaforo).

A escolas precisam investir mais em Educação Financeira como meio de equilíbrio e no processo de formação de cidadãos equilibrados e conscientes. Aquele que não consegue lidar bem com a administração do dinheiro terá dificuldades em vários setores de sua vida. O desequilíbrio financeiro demonstra a desorganização total da vida do cidadão. Quem deseja uma vida livre e a conquista da INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA, precisa manter o foco e a disciplina, na luta pela construção de seus projetos. Não há almoço grátis, tudo tem um preço a ser pago. O sucesso não escolhe ninguém no meio da multidão. O sucesso é o resultado do trabalho inteligente e focado. Enquanto, a sociedade brasileira tratar a gestão do dinheiro de modo indiferente, a pobreza e o sofrimento continuarão fazendo parte do dia a dia.

Nietzsche dizia: O homem é uma corda atada entre o animal e o além do homem; uma corda sobre o abismo, perigoso é a travessia, perigoso é olhar para trás, perigoso é parar e cair. Enfim, precisamos seguir em frente na construção de nossos sonhos, pois cada dia, podemos fazer sempre alguma coisa que venha contribuir com o nosso sucesso. Até a próxima e uma boa reflexão…

Ricardo André

Consultor Empresarial, palestrante, professor de finanças, consultor financeiro (pessoas e empresas).

Contato: cardozoandre@hotmail.com

 

aula_sala_regiao

Relacionados

Comente este artigo

Your email address will not be published.