Nós, seres humanos, não viemos ao mundo para sermos escravos, mas sim, para usufruirmos  daquilo que a vida tem de melhor para nos dar. Então, o que nos deixa acorrentado no mar de dificuldades? Por que a maioria das pessoas não consegue ter uma vida verdadeiramente livre? A liturgia ideológica das engrenagens modernas nos cegam, inviabilizando  a conquista de nossa liberdade. A Política da forma como vem sendo conduzida não nos permite vislumbrar uma vida de realização, tendo em vista que uma grande parte de nossos representantes não tem nenhum compromisso com  a sociedade, buscam somente a satisfação de interesses pequenos, logo, o que temos é uma avalanche de desvios de conduta, que vem empobrecendo, cada vez mais, o povo brasileiro. Havia uma máxima que o medo venceu a esperança. Será? Será que o medo venceu a esperança, ou a esperança foi destituída de seu pódio pela força do medo? Qual o caminho? Que direção devemos tomar para romper com as armadilhas construídas para sufocar o sonho e a esperança de um povo, que já foi por demais  açoitado por homens destituídos de valores, destituídos de sensatez.

O Brasil foi tomado por uma loucura devastadora, que tem encarcerado milhões  aos guetos da miséria. Há uma engrenagem perfeita que sobrevive da pobreza, que sobrevive da fome. Percebo que à ausência de nacionalismo e um projeto inteligente de longo prazo, tem nos colocado reféns de uma política que mais encarcera que liberta. Não iremos acabar ou diminuir com a pobreza com políticas assistencialistas, voltadas para as próximas eleições. É preciso que as ações de Estado venham ser satisfatórias, solucionando o problema na raiz e não utilizando apenas paliativos que não são capazes de curar a doença. O comportamento da sociedade brasileira tem a ver com tudo isso que vivemos. Uma agonia perfeita oriunda de uma visão pequena e míope da própria realidade. A insensatez que tem sido o comportamento natural de nossos administradores públicos e da própria sociedade, conduziu o Brasil em direção ao sacrifício e a dor. As políticas públicas adotadas nos últimos 21 anos, não foram coerentes com a construção do desenvolvimento sustentável da economia brasileira. A gastança sem propósito e irresponsável  somada à corrupção mais escancarada da história da República, conseguiu retirar o Brasil  dos trilhos. Perdemos uma das maiores oportunidades concedidas  pela economia global. Por falta de um projeto consistente o Brasil continuará na periferia. Tudo isso, porque não tivemos homens públicos comprometidos com as questões nacionais. Fomos surrupiados por uma camarilha de plantão, que rifaram o Estado Brasileiro. É triste olhar a riqueza deste continente sendo contrabandeada e saqueada pelas mãos corruptas de nossos representantes. Iremos amargar por muitos anos essa loucura cometida contra o Estado Brasileiro.

A corrupção, o grande mal do século, tem sido o maior de todos os problemas. A roubalheira escancarada em todas as nossas instituições, tem alimentado a pobreza e a dor de uma multidão de brasileiros que não possuem voz, cidadania, consciência e esperança. O que fazer diante de tal problemática? Como conquistar a liberdade diante de tantos equívocos, diante de tanta desfaçatez? A honra, a credibilidade e a honestidade,  tão ausente nos valores nacionais, são o início de toda nossa agonia. Vivemos um momento em que todos perderam a fé, perderam o direito de sonhar por dias melhores. Resultado claro e inequívoco do comportamento humano contraditório, da corrupção pela corrupção. O poder foi tomado por um sistema organizado, que tem por objetivo saquear nossas riquezas.

A solução gravita em torno de nossa indignação. Enquanto, aceitarmos a realidade como se apresenta, teremos enormes dificuldades de construir um Brasil livre, mais justo e menos desigual. A desigualdade social, que tem origem em uma das maiores concentrações  de renda do planeta, é a bomba-relógio que poderá derrubar os alicerces de nossos valores. Senão mudarmos a direção, destruiremos  todo o tecido social, que já se encontra esgarçado. A Educação de todas as formas é a única possibilidade que temos para mudar a cara do Brasil. Se quisermos romper com a escravidão velada que vem se propagando em diversas direções, temos, sem sombra de dúvida, que investir, cada vez mais, em EDUCAÇÃO DE QUALIDADE. A  Educação não pode e nem deve ser apenas um instrumento para atender as linhas de montagem de nossas indústrias e relegada pelas mãos duvidosas de nossos dirigentes, mas sim, um instrumento de liberdade e cidadania. A mudança, de fato, deve vir da sociedade como um todo e não como soluções  mágicas das elites políticas. A vontade de  mudança deve ser um sentimento de todos e não de nossas lideranças fragilizadas.

O problema do Brasil não se encontra nas denominações ideológicas – direita, esquerda e centro – mas sim, nos valores de cada brasileiro. As ideologias políticas no Brasil é uma farsa muito parecida com o Sistema Único de Saúde. Não há ideologias partidárias, mas sim, interesses pequenos que tem como objetivo precípuo, a venda do Brasil a preço de banana e o enriquecimento sem trabalho. No final sabemos que a questão é muito mais no campo moral do que no campo político. Somos uma sociedade ainda a ser construída… Uma pena… Uma grande pena…

 

“O PREÇO DA LIBERDADE É A ETERNA VIGILÂNCIA…”

Relacionados

Comente este artigo

Your email address will not be published.